Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro 11, 2009

o mundo do faz-de-conta...

Se hoje não der praia, faz-de-conta que deu. Finja que ficou feliz e saia para caminhar. Mesmo com o dia nublado é possível olhar o mar, ver gente bonita e, de quebra, ganhar saúde. Mas se o dia estiver com aquele sol de rachar, nada de reclamar. Use filtro solar, viseira e óculos escuros. Não vai dar mole para o cancer de pele. Proteja-se e brinde esse dia com um mergulho gostoso nas águas da praia. Se nenhuma amiga telefonar para convidar para sair, deixa quieto. Vai ao cinema sozinha mesmo e esqueça a barriga - compre pipocas, refrigerante e curta. O gato que disse que ía chegar de fora e nada? Esqueça! Quem sabe ele nem serviria para você como imaginava? Deixa de se lamentar e supere esse episódio.A noite pode não se mostrar amiga e chover porque fez calor demais o dia todo. E daí? Aluga um filme, compre petiscos e quem sabe até uma taça de vinho tinto geladinho pode provocar a maior euforia? Se chorar também vai ser bom, relaxa...alivia a tensão. Ah! Terminou o namoro e é o prime…

inveja feminina...

Reza a lenda que mulher invejosa faz qualquer coisa para deixar a "amiga" mal com seus comentários. E seria essa uma característica apenas feminina? Os homens estariam de fora dessa onda que arrasa com as amizades? De fato eles se respeitam mais, porque, senão, a pancadaria acontece. Mas seriam apenas os músculos, que fariam alguém ter respeito pelo próximo?Claro que não! Dignidade não guarda somente frascos com hormôniosmasculinos, e, sim moral, respeito e outros quesitos importantes que caracterizam o ser humano louvável. Fiquei pensando em como o veneno da inveja escorre pela boca de certas mulheres. Elas humilham, inventam histórias, deixam rastros para que sejam encontrados. Um certo ar de deboche quando uma delas conta que está sendo amada por um homem. Comentários maldosos já fizeram sofrer muita gente. Parece que quem os faz, não imagina o mal que dissemina. E como mexe com um coração que pode já estar ferido.Humilha a honra que, em frangalhos, pode estar se sentind…

um domingo como no passado...

Hoje é domingo, pé de cachimbo...e por aí vai...como diria minha mãe. Ontem fiquei pensando naqueles almoços na casa de minha avó. Tinha que levantar cedo, me vestir e deixar de andar de bicicleta na praça em frente aonde morava. Meus amigos ficariam por lá e, eu, trancada na casa de velhos. E então me veio à lembrança aqueles momentos que vivemos. A mesa de pingue pongue servia de suporte para os muitos pratos que vovó fazia. Ela era demais...sempre cheirosa quando acordava. Penteada e de unhas feitas. Brigonaaaa....Trazia todo mundo nas mãos. Ficava observando-a em sua minúscula cozinha com aquelas panelas enormes. Afinal, tinha dez filhos e imagine o bando de netos. O tempo passou e hojeé brega almoço com a família. Visitar os parentes e escutar suas histórias. Viver o tempo deles como se fosse o nosso. Saber de suas brincadeiras e artimanhas. Meu avô ficava na varanda descascando laranjas sem "quebrar" a casca. Saía inteirinha feito rodela como uma mola. Achava ele inte…